09 de Maio de 2019

Para o dia Nacional de Combate ao Glaucoma, comemorado no dia 26 de maio, vamos ajudar você a conhecer os sintomas de glaucoma, o que exatamente é essa doença e quais as suas causas.


O que é glaucoma?

Glaucoma é o nome dado a um grupo de doenças oftalmológicas caracterizadas pela destruição progressiva do nervo óptico — as células neurais responsáveis pela captação das imagens na retina e transmissão delas para o cérebro.

Geralmente, essas doenças estão associadas ao aumento de pressão intraocular, mas nem sempre isso ocorre, e o mais comum é que o glaucoma evolua para a cegueira irreversível se não for tratado de forma adequada.

Causas do glaucoma

A lesão das fibras ópticas devido ao aumento da pressão intraocular é a principal causa do glaucoma. Esse aumento de pressão ocorre pelo bloqueio da drenagem ou pelo excesso de produção de líquido que preenche a cavidade ocular, chamado de humor aquoso. 

Apesar dessa explicação, há relatos de pessoas com glaucoma com pressão intraocular normal e pessoas com pressão intraocular elevada sem glaucoma, o que mostra que outros mecanismos podem estar envolvidos no surgimento da doença.

Alguns fatores de risco já foram identificados:

idade > 40 anos;

pressão ocular aumentada;

história familiar de glaucoma;

enxaqueca;

miopia grave;

diabetes mellitus;

doenças cardiovasculares;

hipotensão arterial noturna;

hipertensão arterial;

uso de colírios sem prescrição médica;

apneia do sono;

outras doenças e inflamações oculares.

Sintomas de glaucoma

Os sintomas do glaucoma dependem do tipo da doença.

Glaucoma de ângulo fechado

Tem uma evolução aguda e abrupta por um aumento súbito da pressão intraocular. Costuma ser provocado por uma obstrução completa do sistema de drenagem do humor aquoso. É o tipo mais raro, porém, mais perigoso de glaucoma.

Geralmente, o indivíduo queixa do surgimento súbito de manchas e pontos luminosos na visão associados a dor de cabeça, enjoo, vermelhidão ocular e vista embaçada.

Glaucoma de ângulo aberto

É o tipo mais comum de glaucoma e possui uma evolução lenta e crônica. A pressão intraocular aumenta pouco a pouco e geralmente está associada a fatores genéticos. Os sintomas do glaucoma de ângulo aberto são muito sutis inicialmente e evoluem de forma lenta.

O sintoma mais comum é a perda da visão periférica e o desenvolvimento de uma visão tubular, na qual o paciente só enxerga o que está posicionado à frente dos olhos. Assim, as queixas mais frequentes são tropeções, dificuldade para dirigir e esbarrões em cadeiras e pessoas.

Com o tempo, o glaucoma continua evoluindo e toda a visão é comprometida, fazendo com que a pessoa fique cega.

Glaucoma congênito

O glaucoma congênito tem uma causa hereditária e costuma ocorrer quando o pai e a mãe da criança são parentes próximos. O bebê nasce com uma pequena membrana dentro do olho que impede a drenagem do humor aquoso e provoca o aumento da pressão intraocular.

Geralmente, a criança apresenta um reflexo esbranquiçado no olho em fotos com flash, olhar sem brilho, lacrimejamento excessivo, sensibilidade à luz e aumento do volume ocular, podendo ficar cega nos primeiros meses de vida.

Glaucoma secundário

Ocorre por prejuízo à drenagem de humor aquoso e está associado a algum trauma ou doença específica, como diabetes ou catarata. Pode cursar com sintomas de um glaucoma de ângulo fechado ou de ângulo aberto, dependendo do tipo de doença de base e da forma como ela progride.

Diagnóstico

A única forma de descobrir se você tem glaucoma é indo ao oftalmologista e passando por um exame ocular. O médico irá medir a pressão dentro do olho (tonometria), avaliar o nervo óptico no fundo do olho e solicitar outros exames que avaliam seu campo visual e o funcionamento dos canais de circulação do humor aquoso.

No caso do glaucoma congênito, o diagnóstico é feito no teste do olhinho, logo nos primeiros dias de vida. Nesse teste, o médico joga uma luz sobre os olhos da criança e tenta observar um reflexo avermelhado ou alaranjado no fundo dos olhos da criança. Quando o glaucoma está presente, esse reflexo é mais azulado.

Tratamento

O tratamento do glaucoma visa reduzir a pressão intraocular para proteger as fibras do nervo óptico e estabilizar a progressão da doença. Isso significa que o tratamento não consegue reverter os danos que já ocorreram à visão, mas consegue estagnar a evolução da doença e impedir a cegueira se realizado no tempo certo.

Para manter o glaucoma sob controle, o paciente deve realizar aplicações diárias de colírios e realizar um acompanhamento oftalmológico adequado.

Quando os colírios não são suficientes, é possível realizar uma cirurgia chamada de trabeculectomia (ou trabeculoplastia, quando feita a laser), na qual uma porção do olho chamada de trabécula é retirada para facilitar a drenagem do humor aquoso.

Para o tratamento do glaucoma de ângulo fechado, algumas medidas diferentes são necessárias. Como o aumento de pressão intraocular é muito abrupto, é realizado um tratamento mais intensivo com medicamentos orais e venosos, além dos colírios, para resolver o problema. Em alguns casos, também é realizado um procedimento cirúrgico de emergência, chamado de iridotomia, para criar um novo canal de drenagem do líquido e reduzir a pressão intraocular.

Já o tratamento do glaucoma congênito é sempre realizado com cirurgia para desobstruir o trajeto de drenagem do humor aquoso.

Prevenção

Não é possível prevenir o surgimento do glaucoma, mas sim evitar a progressão da doença e prevenir sua evolução para cegueira. Para isso, qualquer pessoa com fatores de risco ou história familiar para a doença deve realizar um acompanhamento regular com o oftalmologista de forma a ser diagnosticado e tratado precocemente.

Além disso, é essencial manter uma vida saudável e tratar as doenças que são fatores de risco, como a hipertensão arterial, o diabetes e a apneia do sono. Para mais informações acesse o Link: http://www.bemsaudavel.blog.br/asma-e-bronquite-entenda-as-diferencas-e-como-trata-las/.

 

Assessoria de Comunicação e Marketing Unimed Belém

Leia também