01 de Abril de 2019

Dia 26 de abril é o dia Nacional de combate à Hipertensão Arterial, e pensando em auxiliar você a se prevenir ou tratar da doença, organizamos um material especial com dicas de como se distanciar desse problema


A pressão alta é uma das doenças mais frequentes a nível mundial. E, segundo a Sociedade Brasileira de Hipertensão, atualmente em nosso país existem 17 milhões de pessoas hipertensas. Estudos mostram que 50% das pessoas maiores de 50 anos possuem pressão alta e esse número está diretamente relacionado aos hábitos modernos.

Uma grande preocupação em relação à hipertensão são suas graves consequências, como o Acidente Vascular Cerebral (AVC) e as doenças cardiovasculares. Por isso, nessa matéria, trouxemos informações sobre como se prevenir da pressão alta, como tratá-la e muito mais!

O que é hipertensão arterial?

Para entender o que é a pressão alta, primeiro você precisa entender o que é pressão arterial. Nosso coração bombeia sangue para todas as partes do corpo através das artérias, que são idênticas a tubos componentes de um sistema hidráulico. O bombeamento do sangue faz com que as paredes dos vasos sanguíneos sofram uma pressão. Essa tensão gerada nas paredes dos vasos é chamada de pressão arterial sistêmica. Ela pode variar ao longo do dia, dependendo das atividades que você faz.

Quando nos exercitamos ou estamos em situações de ansiedade ou nervosismo, a pressão aumenta. Mas, se estamos relaxados ou dormindo, ela diminui. Quando o coração contrai — fazendo força para bombear o sangue — a pressão arterial chega ao seu valor mais elevado, também chamada de pressão arterial máxima ou sistólica. Porém, ao relaxar, permitindo que o sangue retorne ao coração, a pressão diminui para seu valor mínimo, também chamada de pressão diastólica.

Em condições normais e saudáveis, uma pessoa adulta tem a pressão arterial sistólica no valor de 120 mmHg — milímetros de mercúrio, unidade de medida utilizada para a pressão arterial — e a diastólica em 80 mmHg. Por isso, se diz que o valor de referência é 12/8.

São considerados casos de hipertensão arterial quando a pressão sistólica é de 140 mmHg ou mais e/ou pressão arterial diastólica de 90 mmHg ou mais.

Sintomas da hipertensão

Se a sua pressão sanguínea é extremamente alta, podem ser notados os seguintes sintomas:

  • dor de cabeça severa;
  • fadiga ou confusão;
  • problemas de visão;
  • dor no peito;
  • dificuldade ao respirar;
  • arritmia;
  • sangue na urina;
  • taquicardia.

Como a pressão varia ao longo do dia, você não receberá um diagnóstico de hipertensão a menos que seus índices sejam consistentemente altos.

Fatores que levam à hipertensão

Existem vários fatores relacionados ao surgimento da pressão alta. Dentre os principais estão:

  • histórico familiar;
  • idade avançada;
  • obesidade;
  • consumo abusivo de sal;
  • vida sedentária;
  • diabetes;
  • tabagismo;
  • alcoolismo.

Mudança de estilo de vida e controle da pressão sanguínea

Um passo importante para prevenção e tratamento da hipertensão é um estilo de vida saudável. Você pode preveni-la e controlá-la com as seguintes mudanças no seu estilo de vida:

Manter-se com um peso saudável: o excesso de peso pode tornar você de duas a seis vezes mais propenso a desenvolver hipertensão do que alguém com peso desejável.

Se exercitando regularmente: pessoas fisicamente ativas têm um menor risco de ter pressão alta — 20% a 50% menos — do que pessoas sedentárias. Mesmo atividades leves, se feitas diariamente, podem ajudar a reduzir o risco.

Reduzindo o sal: muitas vezes, quando as pessoas com hipertensão cortam o sal, sua pressão arterial volta aos valores desejados. Além disso, evitar o consumo excessivo de sal também é uma medida para que aqueles que não têm a doença possam se prevenir dela.

Assessoria de Comunicação e Marketing Unimed Belém

Leia também