03 de Agosto de 2020

Entenda a importância da imunização e saiba mitos e verdades sobre as vacinas


Com origem no século 18, a vacina teve papel importante na diminuição das mortes por varíola, que chegava a matar até 40% dos infectados

O ditado é antigo, mas se aplica perfeitamente aos dias atuais: “é melhor prevenir do que remediar”. A vacinação é uma importante aliada no combate a diversas doenças — atuando não só diretamente em quem recebe a vacina, mas na sociedade como um todo.

De acordo com a Associação Brasileira de Alergia e Imunologia (Asbai), as vacinas trouxeram impactos diretos na redução da mortalidade e da ocorrência de doenças infecciosas, como sarampo, poliomielite, varicela, coqueluche, meningites, hepatites, entre outras. A vacinação é segura e as reações, quando ocorrem, são leves e temporárias, como um braço um pouco dolorido ou uma ligeira febre.

Atualmente, existem 36 mil salas de vacinação nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) em todo o Brasil e 300 milhões de doses das vacinas (orais e injetáveis) incluídas no Calendário Nacional de Vacinação. Ao todo, são disponibilizados 19 tipos de vacinas para mais de 20 doenças. Essa proteção é iniciada ainda nos recém-nascidos, e deve se estender por toda a vida.

O Programa Nacional de Imunização (PNI) já existe há 46 anos no Brasil e é considerado pela Organização Mundial da Saúde (OMS) como um dos melhores programas de vacinação do mundo. O PNI é aperfeiçoado  ano a ano, incorporando novas vacinas e novos esquemas de vacinação modernos e mais eficazes. Nos anos 1960, o projeto teve êxito na erradicação da varíola: o último caso da doença foi notificado em 1971.

Algumas vacinas têm componentes que podem desencadear alergias, no entanto, os benefícios superam os riscos de reações graves. Além disso, é importante mencionar que toda vacina passa por um processo de avaliação em diversas fases, desde o seu desenvolvimento até a etapa final, que é a aplicação.

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) avalia e aprova as vacinas antes de elas serem liberadas para uso, e, mesmo após o licenciamento, existe um acompanhamento do órgão responsável, que dá continuidade ao monitoramento e ao processo de segurança.

Você sabe quais doenças podem ser prevenidas com a vacinação correta?
Poliomielite, tétano, febre amarela, coqueluche, HPV, Haemophilus influenzae tipo B, sarampo, rubéola, caxumba, difteria, e hepatite B.

Movimento antivacina e fake news

Pessoas utilizam celular

Em países da Europa, nos Estados Unidos e também no Brasil, o movimento antivacina é crescente e compromete a cobertura vacinal de crianças e jovens. Coberturas vacinais menores do que 80% da população podem facilitar o retorno de doenças infecciosas há anos erradicadas e de surtos em massa de doenças como caxumba, sarampo e varicela.

Não vacinar seu filho pode trazer efeitos prejudiciais para a saúde e para a sobrevivência dele, mas também pode prejudicar toda a população infantil do país. 

O movimento antivacina não tem base científica, divulgam fake news em páginas criminosas na internet, informações falsas que podem matar pessoas. Cuidado! Não compartilhe notícias falsas. Na dúvida, converse com seu médico.  

Bilhões de crianças são vacinadas todos os anos, no mundo todo. E é essa enorme cobertura que garante que as doenças infecciosas não voltem a causar mortes e sequelas a elas.

 

Veja quais são os principais mitos sobre vacinação:

vacina é aplicada em paciente

1 - Vacinas causam autismo?

Não há relação causal entre vacinação e autismo, que é um transtorno do funcionamento cerebral de causa ainda desconhecida, possivelmente genética.  A confusão se dá pois o diagnóstico do autismo acontece na infância, época em que é aplicada a maioria das vacinas.

2 - Higiene e saneamento básico farão doenças desaparecerem?

A importância das vacinas independe de condições adequadas de higiene e saneamento básicas, que são importantes em qualquer situação. Lavar as mãos com água e sabão sempre e usar água limpa ajudam a proteger as pessoas de doenças infecciosas, mas somente as vacinas podem preveni-las efetivamente.

3 - Vacinação pode ser fatal ou ter efeitos colaterais desconhecidos a longo prazo?

Não, porque as vacinas são muito seguras. A maioria das reações é pequena e temporária. Reações graves são extremamente raras e cuidadosamente monitoradas. É mais provável que uma pessoa adoeça por causa de uma enfermidade evitável pela vacina do que pela própria vacina. A poliomielite, por exemplo, pode causar paralisia; o sarampo pode causar encefalite e cegueira; e algumas doenças que podem ser prevenidas por meio da vacinação podem resultar em morte.

4 - A vacina contra difteria, tétano e coqueluche e a vacina contra poliomielite causam síndrome da morte súbita infantil?

Não existe nenhuma relação causal entre essas vacinas e a síndrome da morte súbita infantil (SMSI). No entanto, elas são administradas em um momento da vida dos bebês em que eles podem sofrer dessa síndrome — porém, as mortes podem ocorrer mesmo sem a aplicação das vacinas. É importante ressaltar que as quatro doenças mencionadas neste tópico são fatais e bebês não vacinados contra elas correm risco de morte ou de incapacidade grave.

5 - Se as doenças estão quase erradicadas, mesmo assim preciso me vacinar?

Sim, é de extrema importância. Embora as doenças evitáveis por imunização tenham sido quase extintas e sejam consideradas raras, os agentes infecciosos ainda circulam em algumas partes do mundo, podendo ultrapassar fronteiras geográficas e infectar pessoas não protegidas.

6 - Doenças infantis são simples decorrências da idade, normais na vida da criança?

Não é verdade. Enfermidades como caxumba, rubéola e sarampo são graves e podem levar a complicações como pneumonia, encefalite, cegueira, diarreia, infecções de ouvido, síndrome da rubéola congênita (caso uma mulher seja infectada com rubéola no início da gravidez) e até à morte. Não vacinar uma criança a torna altamente vulnerável.

7 - Aplicar mais de uma vacina ao mesmo tempo em uma criança pode aumentar os riscos de danos e eventos prejudiciais no sistema imunológico?

Isso é mais um mito. Evidências científicas indicam que aplicar várias vacinas ao mesmo tempo não causa aumento de eventos adversos sobre o sistema imunológico das crianças. Elas são expostas a centenas de substâncias estranhas, que desencadeiam uma resposta imune todos os dias. O simples ato de comer introduz novos antígenos no corpo e diversas bactérias vivem na boca e no nariz. Uma criança é exposta a muito mais antígenos em um resfriado comum ou numa dor de garganta do que quando é vacinada.

8 - Vacinas possuem mercúrio, muito perigoso à saúde.

Esta afirmação não é verdadeira. O tiomersal é um composto orgânico que contém mercúrio, adicionado a algumas vacinas como conservante, sendo o mais utilizado para as que são fornecidas em frascos multidose. Não existe nenhuma evidência que sugira que a quantidade de tiomersal utilizada nas vacinas represente um risco para a saúde.

Estrangeiros em visita ao Brasil precisam se vacinar?
Não existe nenhuma obrigatoriedade de vacinação para entrada no país. Porém, o Ministério da Saúde do Brasil recomenda que os turistas internacionais atualizem a sua situação vacinal previamente à chegada ao Brasil, conforme as orientações do calendário de vacinação do país de origem ou de residência, em especial, as vacinas contra febre amarela, poliomielite, sarampo e rubéola, difteria e tétano.

E se for viajar para outro país?
Para viagens internacionais, o Ministério da Saúde do Brasil orienta que o viajante esteja com a caderneta de vacinação atualizada, conforme as orientações do Calendário Nacional de Vacinação.


Deve-se incluir o cartão de vacinação entre os documentos da viagem, pois, conforme as normas do Programa Nacional de Imunizações (PNI), ele comprova a vacinação em território nacional. Para viagens internacionais, é importante dispor também do Certificado Internacional de Vacinação e Profilaxia (CIVP), quando exigido para entrada no país de destino ou onde ocorra escala de voos.

Calendário nacional de vacinação

Rapaz se vacina com uma médica

O calendário nacional de vacinação é atualizado periodicamente e reúne as vacinas comprovadamente eficazes e seguras necessárias para manter a boa saúde das pessoas. São oferecidas de forma gratuita nos postos de saúde do SUS.

Existem vacinas para diversos grupos da população, que vão dos recém-nascidos aos idosos, incluindo adolescentes, gestantes, povos indígenas, adultos e pessoas que pretendem viajar para o exterior, além de casos que requerem vacinação específica.

Há quem creia que a vacinação seja obrigatória apenas para crianças, no entanto, pessoas de todas as faixas etárias devem estar atentas ao Calendário Nacional de Vacinação e às Campanhas Sazonais.

Em caso de dúvidas, sempre procure um serviço de saúde e fale com um médico para esclarecer possíveis questionamentos. Não deixe de se vacinar.

Veja abaixo quais as vacinas indicadas para cada faixa-etária.

Crianças

Um bebê está se vacinando com sua mãe e médico

São 15 vacinas, aplicadas antes dos 10 anos.

  • Recém-nascido:
    • Dose única - BCG (previne as formas graves de tuberculose, principalmente miliar e meníngea)
    • Dose ao nascer - Hepatite B (previne a hepatite B)
  • 2 meses:
    • 1ª dose - Penta (previne difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e infecções causadas pelo Haemophilus influenzae B)
    • 1ª dose - Poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) (VIP) (previne a poliomielite)
    • 1ª dose - Pneumocócica 10 Valente (conjugada) (previne a pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo)
    • 1ª dose - Rotavírus humano (previne diarreia por rotavírus)
  • 3 meses:
    •  1ª dose - Meningocócica C (conjugada) (previne doença invasiva causada pela Neisseria meningitidis do sorogrupo C)
  • 4 meses:
    • 2ª dose - Penta (previne difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e infecções causadas pelo Haemophilus influenzae B)
    • 2ª dose - Poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) (VIP) (previne a poliomielite)
    • 2ª dose - Pneumocócica 10 Valente (conjugada) (previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo)
    • 2ª dose - Rotavírus humano (previne diarreia por rotavírus)
  • 5 meses:
    • 2ª dose - Meningocócica C (conjugada) (previne doença invasiva causada pela Neisseria meningitidis do sorogrupo C)
  • 6 meses:
    • 3ª dose - Penta (previne difteria, tétano, coqueluche, hepatite B e infecções causadas pelo Haemophilus influenzae B)
    • 3ª dose - Poliomielite 1, 2 e 3 (inativada) (VIP) (previne poliomielite)
  • 9 meses:
    • Uma dose - Febre Amarela (previne a febre amarela)
  • 12 meses:
    • 1ª dose - Tríplice viral (previne sarampo, caxumba e rubéola)
    • Reforço - Pneumocócica 10 Valente (conjugada) (previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo)
    • Reforço - Meningocócica C (conjugada) (previne doença invasiva causada pela Neisseria meningitidis do sorogrupo C)
  • 15 meses:
    • 1º reforço - DTP (previne a difteria, tétano e coqueluche)
    • 1º reforço - Poliomielite 1 e 3 (atenuada) (VOP) (previne poliomielite)
    • Uma dose - Hepatite A
    • Uma dose - Tetra viral (previne sarampo, rubéola, caxumba e varicela/catapora)
  • 4 anos:
    • 2º reforço - DTP (previne a difteria, tétano e coqueluche)
    • 2º reforço - Vacina Poliomielite 1 e 3 (atenuada) (VOP) (previne poliomielite)
    • Uma dose - Varicela atenuada (previne varicela/catapora)
Atenção: Crianças de 6 meses a 5 anos (5 anos 11 meses e 29 dias) de idade deverão tomar uma ou duas doses da vacina influenza durante a Campanha Anual de Vacinação da Gripe.

Adolescentes

Adolescente toma vacina com uma médica

  • Meninas de 9 a 14 anos:
    • HPV (previne o papiloma, vírus humano que causa cânceres e verrugas genitais) - 2 doses (seis meses de intervalo entre as doses)
  • Meninos de 11 a 14 anos:
    • HPV (previne o papiloma, vírus humano que causa cânceres e verrugas genitais) - 2 doses (seis meses de intervalo entre as doses)
  • Meninos e meninas:
    • 11 a 4 anos:
      • Meningocócica C (conjugada) (previne doença invasiva causada por Neisseria meningitidis do sorogrupo C) – dose única ou reforço (a depender da situação vacinal anterior)
    • 10 a 19 anos: 
      • Hepatite B - 3 doses (a depender da situação vacinal anterior)
      • Febre Amarela – 1 dose (a depender da situação vacinal anterior)
      • Dupla Adulto (dT) (previne difteria e tétano) – Reforço a cada 10 anos
      • Tríplice viral (previne sarampo, caxumba e rubéola) - 2 doses (de acordo com a situação vacinal anterior)
      • Pneumocócica 23 Valente (previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo) – 1 dose (a depender da situação vacinal anterior) (está indicada para população indígena e grupos-alvo específicos) 

Adultos

Mulher adulta toma vacina com um médico

  • 20 a 59 anos:
    • Hepatite B - 3 doses (a depender da situação vacinal anterior)
    • Febre Amarela – dose única (a depender da situação vacinal anterior)
    • Tríplice viral (previne sarampo, caxumba e rubéola) – verificar a situação vacinal anterior, se nunca vacinado: receber 2 doses (20 a 29 anos) e 1 dose (30 a 49 anos)
    • Dupla adulto (dT) (previne difteria e tétano) – reforço a cada 10 anos
    • Pneumocócica 23 Valente (previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo) – 1 dose (está indicada para população indígena e grupos-alvo específicos)

Idosos

Uma enfermeira aplica uma vacina em um senhor idoso

Além da vacinação anual contra a gripe, existem 4 vacinas obrigatórias nessa faixa etária.

  • Acima de 60 anos:
    • Hepatite B - 3 doses (verificar situação vacinal anterior)
    • Febre Amarela – dose única (verificar situação vacinal anterior)
    • Dupla Adulto (dT) - (previne difteria e tétano) – reforço a cada 10 anos
    • Pneumocócica 23 Valente (previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo) – reforço (a depender da situação vacinal anterior) (a vacina está indicada para população indígena e grupos-alvo específicos, como pessoas com 60 anos ou mais, não vacinados que vivem acamados e/ou em instituições fechadas)

Gestantes

Mulher grávida toma vacina com um médico

Essencial para prevenção de doenças na mãe e no bebê, as grávidas devem se atentar às vacinas recomendadas.

  • Hepatite B - 3 doses (a depender da situação vacinal anterior)
  • Dupla Adulto (dT) (previne difteria e tétano) – 3 doses (a depender da situação vacinal anterior)
  • dTpa (Tríplice bacteriana acelular do tipo adulto) (previne difteria, tétano e coqueluche) – uma dose a cada gestação a partir da 20ª semana de gestação ou no puerpério (até 45 dias após o parto).
  • Influenza – uma dose (anual)

 

Calendário nacional de vacinas de povos indígenas

Mulher e crianças indígenas

Crianças

  • Recém-nascidos:
    • BCG – dose única - (previne as formas graves de tuberculose, principalmente miliar e meníngea
    • Hepatite B – dose única
  • 2 meses:
    • 1ª dose - Pentavalente (Previne Difteria, Tétano, Coqueluche, Hepatite B e Meningite e infecções por HiB)
    • 1ª dose - Vacina Inativada Poliomielite (VIP) (poliomielite ou paralisia infantil)
    • 1ª dose - Pneumocócica 10 Valente (previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo)
    • 1ª dose - Rotavírus (previne diarreia por rotavírus)
  • 3 meses:
    • 1ª dose - Meningocócica C (previne a doença meningocócica C)
  • 4 meses:
    • 2ª dose - Pentavalente (previne difteria, Tétano, Coqueluche, Hepatite B e Meningite e infecções por Haemophilus influenzae tipo B)
    • Vacina Inativada Poliomielite (VIP) (Poliomielite ou paralisia infantil)
    • 2ª dose - Pneumocócica 10 Valente (previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo)
    • 2ª dose - Rotavírus (previne diarreia por rotavírus)
  • 5 meses:
    • 2ª dose - Meningocócica C (previne doença meningocócica C)
  • 6 meses:
    • 3ª dose - Pentavalente (previne difteria, tétano, coqueluche, hepatite B, meningite e infecções por HiB)
    • 3ª dose - Poliomielite (inativada) (VIP) (previne Poliomielite ou paralisia infantil)
  • 9 meses:
    • Febre Amarela – dose única (previne a febre amarela)
  • 12 meses:
    • 1ª dose - Tríplice viral (previne sarampo, caxumba e rubéola)
    • Reforço - Pneumocócica 10 valente (previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo)
    • Reforço - Meningocócica C (previne doença meningocócica C)
  • 15 meses:
    • 1º reforço - DTP (Difteria, tétano e coqueluche)
    • 1º reforço - Vacina Oral Poliomielite (VOP) (previne poliomielite ou paralisia infantil)
    • Dose única - Hepatite A
    • Uma dose - Tetra viral ou tríplice viral + varicela (previne sarampo, rubéola, caxumba e varicela/catapora)
  • 4 anos:
    • 2º reforço - DTP (previne difteria, tétano e coqueluche)
    • 2º reforço - Vacina Oral Poliomielite (VOP) (previne poliomielite ou paralisia infantil)
    • Uma dose - Varicela atenuada (varicela/catapora)
  • 5 anos:
    • Pneumocócica 23 v – uma dose (a vacina está indicada para grupos-alvo específicos, como a população indígena a partir dos 5 (cinco) anos de idade)
  • 9 anos:
    • 2 doses - HPV (Papiloma vírus humano que causa cânceres e verrugas genitais)
      (meninas de 9 a 14 anos / meninos de 11 a 14 anos)

Adolescentes

  • 10 a 19 anos:
    • Meningocócica C (doença invasiva causada por Neisseria meningitidis do sorogrupo C) – 1 reforço ou dose única de 12 a 13 anos (verificar a situação vacinal)
    • Febre Amarela – dose única (verificar a situação vacinal)
    • Tríplice viral (previne sarampo, caxumba e rubéola) - 2 doses, a depender da situação vacinal anterior
    • HPV (Papiloma vírus humano que causa cânceres e verrugas genitais) – 2 doses (meninas de 9 a 14 anos e meninos de 11 a 14 anos)
    • Pneumocócica 23 valente (previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo) – 1 dose a depender da situação vacinal
    • Dupla Adulto (previne difteria e tétano) – reforço a cada 10 anos
    • Hepatite B (previne hepatite B) - 3 doses, de acordo com a situação vacinal

Adultos

  • 20 a 59 anos:
    • Hepatite B (previne hepatite B) - 3 doses, de acordo com a situação vacinal
    • Febre Amarela (previne febre amarela) – dose única, verificar situação vacinal
    • Tríplice viral (previne sarampo, caxumba e rubéola) – se nunca vacinado: 2 doses (20 a 29 anos) e 1 dose (30 a 49 anos)
    • Pneumocócica 23 valente (previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo) – 1 dose a depender da situação vacinal
    • Dupla adulto (DT) (previne difteria e tétano) – reforço a cada 10 anos

Idosos

  • Acima de 60 anos:
    • Hepatite B (previne hepatite B) - 3 doses, de acordo com a situação vacinal
    • Febre Amarela (previne febre amarela) – dose única, verificar situação vacinal
    • Pneumocócica 23 valente (previne pneumonia, otite, meningite e outras doenças causadas pelo Pneumococo) – reforço a depender da situação vacinal (a vacina está indicada para grupos-alvo específicos, como pessoas com 60 anos ou mais, não vacinados que vivem acamados e/ou em instituições fechadas)
    • Dupla adulto (previne difteria e tétano) – reforço a cada 10 anos

Gestantes

  • Hepatite B (previne hepatite B) - 3 doses, de acordo com a situação vacinal
  • Dupla Adulto (DT) (previne difteria e tétano) – 3 doses, de acordo com a situação vacinal
  • dTpa (previne difteria, tétano e coqueluche) – uma dose, a partir da 20ª semana

 

VOCÊ SABIA? O Ministério da Saúde criou um serviço de informação exclusivo no WhatsApp, para os cidadãos se certificarem sobre as notícias ou imagens que recebem, se são ou não verdadeiras. Anote aí: (61) 99289-4640.

Texto: Agência Babushka | Edição e Revisão: Unimed do Brasil

Fonte: Associação Brasileira de Alergia e Imunologia, Portal Unimed, Ministério da Saúde

Revisão técnica: equipe médica da Unimed do Brasil

Assessoria de Comunicação e Marketing Unimed Belém

Leia também